Pular para o conteúdo principal

Tema de hoje: Halitose




Rapidamente vamos trazer algumas noções sobre este tema que é bastante incomodativo para quem convive com um individuo portador de halitose, ou mau  hálito.

Este termo vem do latim( CISTERNAS; BYDLOWSKI, 1998):

Halitus - ar expirado
Osis - alteração patológica

A halitose não é considerada uma doença, e sim uma condição de anormalidade do halito. Pode ser tanto fisiológica como patológica. Como uma condição anormal deve ser diagnosticada e tratada (Tarsio, 2003)

Tipos e Causas:

      Fisiológica: halitose matinal que atinge 100% dos indivíduos devido a diminuição do fluxo salivar durante o sono; e a halitose provocada por algum componente específico da dieta como o alho, ou o álcool. O tipo fisiológico é transitório e geralmente controlado com uma boa higiene oral.
   
     Patológica: é mais intensa e persistente e tem nos fatores orais (cáries, gengivites, próteses mal adaptadas e gastas, língua saburrosa, restos alimentares) suas principais causas; porém fatores gerais do organismo também podem ser causadores de mau hálito, como por exemplo problemas intestinais, estomacais, sinusite, dentre outros.
   
     Ainda é possível classificar os pacientes quanto a existência ou não da halitose e por sua percepção olfativa da presença ou não da mesma, ou seja, se existe realmente o mau halito, se o individuo o percebe, ou não.


Prevalência: 

          A halitose atinge 30% da população brasileira segundo pesquisas de TOGASHI, 1998; segundo a ABPO ( Associação Brasileira de Pesquisa dos odores Bucais) são 40%. Destes 40%; 17 são crianças ( 0 a 12 anos); 41% são adultos de 12 a 65 anos, e os demais 71% são indivíduos de mais de 65 anos. 


Diagnóstico:

         Existem diferentes métodos para diagnosticar a halitose, dentre eles citamos método organoléptico ( consiste em verificar o odor do halito em algumas posições a distancias do interlocutor, quando o mesmo pronuncia a palavra " RAUS"); também a halitometria ( com aparelhagem própria para o exame); exames de imagem bucal ( na pesquisa de alterações dentárias, ósseas, de glândulas salivares); anamnese ( para coleta de dados e informações importantes), exame clinico bucal; entre outros.
             O diagnóstico depende da habilidade do profissional envolvido na descoberta da causa do problema, tendo em vista que esta alteração da normalidade muitas vezes obedece a vários fatores.


Tratamento:

         Uma vez que esta alteração é multifatorial, acaba tendo também diversas formas de tratamento que se baseiam no combate as causas, obviamente.
         Tommasi, já em 1982, relaciona os tratamentos da seguinte forma:

    1. Mascarador: consiste em utilizar odorizantes potentes como balas ou chicletes, para mascarar o      hálito do individuo;

    2. Paliativo: preconiza um substituto para estimular o fluxo salivar;

    3. Profilático: consiste em higiene correta, uso de creme dental com sais de zinco ( Albuquerque et al, 2004); dieta balanceada, rica em fibras, ingestão de 2700ml de água ao dia, refeiçoes a cada três horas;

   4. Curativo ou Controle: busca criteriosa de todas as causas primárias para posterior adoção de condutas direcionadas;

   5. Psíquico: alguns indivíduos tem halitose imaginária, a tal ponto que sua rotina social fica extremamente prejudicada necessitando de acompanhamento psíquico.

    Segundo Santos e Castro, 2003, 68% dos pacientes que apresentavam mau halito, relataram alterações de comportamento do que surge a necessidade de eliminar o problema e reintegrar socialmente este individuo.

                               

Para saber mais clique aqui, ou aqui. Você vai ser direcionado aos artigos de referencia do nosso estudo.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bodas de Prata

( primeira foto em 1992, UFSM/RS; segunda foto em 2017, Recanto Maestro/RS) O que significam 25 anos de profissão? Significa uma vida dedicada ao que se escolheu para fazer, para estudar, para aprender! No dia 12 de setembro completamos 25 anos de formados! Uma turma de 32 colegas, jovens cheios de sonhos e projetos. Hoje realizados, todos bem, saudáveis, felizes com seu trabalho, suas famílias, provando que a maturidade faz bem, faz muito bem. Me propuz a ir no encontro de 25 anos e senti uma emoção muito grande de rever meus colegas, minhas amigas, minha parceira de clinica, professores... Comprovei que escolhi certo quando aos 18 anos decidi pela Odontologia.
PARABÉNS PRA NÓS!!!! QUE VENHAM MAIS 25, será que aguentamos até lá?
Tomara que sim!!!!Porque é muito bom estar na ativa, estar bem e estar feliz! Em um caso de amor com a Odontologia, esse é o meu caso!
É isso! Tchau!

Para constar...movimentos...cursos

No mês que passou estive presente no 2º Meeting de odontologia Estética em Chapecó Sc
Foram 3 dias de cursos excelentes, onde além da troca de experiencias e vivências odontológicas pude aprender muita coisa nova, e rever muitos amigos e colegas.
Foram dias muito felizes.


Uma coisa que amo é estudar, e quando tenho a oportunidade de fazer cursos e aprender, me realizo.

Destaque para dois cursos especiais Ronaldo Hirata e o Prof Sérgio de Poços de Caldas, MG.
Hirata falou sobre Resinas Compostas, estética e amor à odontologia; trouxe técnicas novas e aperfeiçoou as já sabidas, falou sobre materiais, sobre escultura, sobre amar o que se faz;
Sergio sobre gestão, contando de sua experiência como gestor de um hospital e de como gerencia sua equipe. Falou do quanto é importante um atendimento diferenciado, cuidadoso, detalhado e até detalhista.

Saí muito feliz desse meeting, decidida a dar outra cara para a odontologia que faço a 25 anos, ou mais, se contar estágios e trabalhos pré format…

Sorriso gente como a gente!

Não só as celebridades tem belos sorrisos. No dia a dia encontramos muitos sorrisos bonitos, saudáveis e harmônicos. Dentre os que pude auxiliar e tratar posto alguns que, com prévia autorização, deram muitas alegrias durante e depois do trabalho realizado. Compartilho com vocês algo que me dá muita alegria, algo meu, algo que amo e que me enche de estimulo a cada dia. Quando se diz " Em um caso de amor com a Odontologia" é isso, o amor que se tem em ajudar os outros a serem mais saudáveis e felizes. 
Aí está:






Todos os nossos trabalhos são fotografados, desde as menores restaurações, os clareamentos, facetas, até as reconstruções maiores com implantes, as ortodontias, as harmonizações faciais, de todos pedimos autorização para publicações, alguns autorizam, outros não, como é conveniente a cada um, logicamente, mas para nós é uma satisfação muito grande poder terminar um trabalho com a alegria de um sorriso ou a emoção de uma vida modificada pela harmonia e beleza da face.