Pular para o conteúdo principal

Tema de hoje: Halitose




Rapidamente vamos trazer algumas noções sobre este tema que é bastante incomodativo para quem convive com um individuo portador de halitose, ou mau  hálito.

Este termo vem do latim( CISTERNAS; BYDLOWSKI, 1998):

Halitus - ar expirado
Osis - alteração patológica

A halitose não é considerada uma doença, e sim uma condição de anormalidade do halito. Pode ser tanto fisiológica como patológica. Como uma condição anormal deve ser diagnosticada e tratada (Tarsio, 2003)

Tipos e Causas:

      Fisiológica: halitose matinal que atinge 100% dos indivíduos devido a diminuição do fluxo salivar durante o sono; e a halitose provocada por algum componente específico da dieta como o alho, ou o álcool. O tipo fisiológico é transitório e geralmente controlado com uma boa higiene oral.
   
     Patológica: é mais intensa e persistente e tem nos fatores orais (cáries, gengivites, próteses mal adaptadas e gastas, língua saburrosa, restos alimentares) suas principais causas; porém fatores gerais do organismo também podem ser causadores de mau hálito, como por exemplo problemas intestinais, estomacais, sinusite, dentre outros.
   
     Ainda é possível classificar os pacientes quanto a existência ou não da halitose e por sua percepção olfativa da presença ou não da mesma, ou seja, se existe realmente o mau halito, se o individuo o percebe, ou não.


Prevalência: 

          A halitose atinge 30% da população brasileira segundo pesquisas de TOGASHI, 1998; segundo a ABPO ( Associação Brasileira de Pesquisa dos odores Bucais) são 40%. Destes 40%; 17 são crianças ( 0 a 12 anos); 41% são adultos de 12 a 65 anos, e os demais 71% são indivíduos de mais de 65 anos. 


Diagnóstico:

         Existem diferentes métodos para diagnosticar a halitose, dentre eles citamos método organoléptico ( consiste em verificar o odor do halito em algumas posições a distancias do interlocutor, quando o mesmo pronuncia a palavra " RAUS"); também a halitometria ( com aparelhagem própria para o exame); exames de imagem bucal ( na pesquisa de alterações dentárias, ósseas, de glândulas salivares); anamnese ( para coleta de dados e informações importantes), exame clinico bucal; entre outros.
             O diagnóstico depende da habilidade do profissional envolvido na descoberta da causa do problema, tendo em vista que esta alteração da normalidade muitas vezes obedece a vários fatores.


Tratamento:

         Uma vez que esta alteração é multifatorial, acaba tendo também diversas formas de tratamento que se baseiam no combate as causas, obviamente.
         Tommasi, já em 1982, relaciona os tratamentos da seguinte forma:

    1. Mascarador: consiste em utilizar odorizantes potentes como balas ou chicletes, para mascarar o      hálito do individuo;

    2. Paliativo: preconiza um substituto para estimular o fluxo salivar;

    3. Profilático: consiste em higiene correta, uso de creme dental com sais de zinco ( Albuquerque et al, 2004); dieta balanceada, rica em fibras, ingestão de 2700ml de água ao dia, refeiçoes a cada três horas;

   4. Curativo ou Controle: busca criteriosa de todas as causas primárias para posterior adoção de condutas direcionadas;

   5. Psíquico: alguns indivíduos tem halitose imaginária, a tal ponto que sua rotina social fica extremamente prejudicada necessitando de acompanhamento psíquico.

    Segundo Santos e Castro, 2003, 68% dos pacientes que apresentavam mau halito, relataram alterações de comportamento do que surge a necessidade de eliminar o problema e reintegrar socialmente este individuo.

                               

Para saber mais clique aqui, ou aqui. Você vai ser direcionado aos artigos de referencia do nosso estudo.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trabalho, trabalho, trabalho!

Tadinho do Blog, tão solitário...
As vezes a "mãe" passa para dizer a que veio...



Recordo que a muitos anos li um artigo sobre otimização profissional e ali dizia que era preciso pensar as vezes que a semana tinha 7 dias, e que muitas vezes era preciso trabalhar no final de semana também, sábado e domingo. Foi o que fiz neste final de semana. 
Quem me conhece mais de pertinho sabe o quanto sou aferrada aos estudos e o quanto sou intensa em querer sempre melhorar e sempre ir em frente, a imagem da espiral ascendente, e o quanto gosto de pensar, refletir, e aproveitar o tempo para fazer mais. Pois bem, neste final de semana comecei pensando..."já esta acabando o ano, não há mais nada a fazer"....
Que nada!!! São 38 dias ainda, talvez de trabalho, uns 30...mas há muito a ser feito... Ai pensei nos que não tiveram tempo de vir ao consultório uma vez ao ano, por falta de tempo, de vontade, até de coragem...
Então, no meu trabalho mental duas coisas surgiram, duas campa…

Depois do dever cumprido, o descanso merecido....

OI, Como meu final de semana inicia neste, pois acabei agora um trabalho da pós graduação em Docência para a Educação Superior, aproveito o descanso antes da próxima atividade e desejo a você, e a mim, um


Agora vou me aprumar para bailar com o esposo, porque nem só de trabalho, profissão e capacitação progressiva vive uma dentista....

Beijos

PARE DE RECLAMAR OU RECLAME, VOCÊ QUE SABE!

Uma nova semana começando, um novo dia, último dia do mês de agosto....hunmmm, dá uma sensação de tempo voando....
Meus dias começam cedo, acordar, levar as meninas na escola, cuidar o que tomo no café da manhã.. Chego no consultório antes, bem antes, do horário que começo meus atendimentos, ai aproveito para ler meus emails, ver algum coisa nas redes sociais, acompanhar as páginas no Youtube, fazer alguma aula de algum curso online (estou sempre fazendo alguma coisa). Hoje, recebi um e-mail do Seiiti Arata, da Arata Academy, sobre o porque das reclamações que fazemos no dia a dia. Uma visão bem interessante, se você fica inquieto com o tema, sugiro que veja o vídeo que ele propoz sobre isso, é uma visão que eu não conhecia, pelo menos.
Tenho pensado, refletido, sobre duas coisas, as reclamações, a pressa; por isso resolvi trazer este assunto... a pressa vou deixar para outro momento.
Porque se reclama afinal?
Observei que eu reclamo quando não estou atenta, consciente, do que estou …